111.jpg
2122.jpg
1205905_47454040.jpg
5.jpg
4.jpg
120.jpg
3.jpg
gestao-no-meio-da-lavoura.jpg
2.jpg

Reunião da CNA aborda retirada da vacina da febre aftosa

Reunião da CNA aborda retirada da vacina da febre aftosa

 

A retirada de vacinação contra a febre aftosa no Brasil foi o principal tema debatido na reunião da Comissão Nacional Bovinocultura de Corte da Confederação Nacional da Agricultura (CNA) realizada hoje (31/8), na Casa Farsul no Parque de Exposições Assis Brasil, em Esteio. Representando a Farsul no encontro, o vice-presidente da Federação, Gedeão Pereira, afirmou não ter uma visão desfavorável no processo, mas respeitando uma temporalidade necessária. “Não temos condição de retirar a vacina. Devemos caminhar a médio e longo prazo, mas precisamos ter mais segurança. O RS é parceiro num futuro”, disse.

O encontro, conduzido pelo presidente da comissão da CNA, Antônio Pitangui de Salvo, reuniu importantes lideranças do tema, como o diretor do Centro Panamericano de Febre Aftosa da Organização Mundial da Saúde (Panaftosa), Ottorino Cosivi, do presidente do Conselho Nacional de Pecuária de Corte (CNPC), Sebastião da Costa Guedes, presidente da ABIEC, Jorge Camardelli, do assessor técnico da Farsul, Luiz Alberto Pitta Pinheiro e de presidentes e representantes de federações e associações de raça de todo o país.

O assunto foi introduzido pelo consultor técnico e presidente da Comissão da Bovinocultura de Leite da Federação da Agricultura do Estado do Paraná (FAEP), Ronei Volpi. Ele informou que o Estado pretende fazer a última vacinação do gado em maio de 2016. “Em novembro de 2015, faremos a revisão total dos cadastros para nos prepararmos e, em novembro de 2017, encaminharemos o pedido de área livre para Organização Internacional de Epidemiologia (OIE) para tentar conquistar a condição em 2018”, informou.

Sebastião Guedes, do Conselho Nacional de Pecuária de Corte (CNPC), confirmou que a erradicação na América do Sul até 2020 é clara. Destacou como ações importantes discutir a criação de um banco de reserva de vacinas, o risco de manipulação de vírus exóticos no continente e discussão em reunião extraordinária do Grupo Interamericano de Erradicação da Febre Aftosa (Giefa), em Washington. Guedes defendeu a retirada da vacinação a começar pelos estados do Sul, Sudeste e Centro-Oeste, Leste, Norte e Nordeste, e por último, das áreas de risco, quando as condições forem propícias.

O diretor do Panaftosa, Ottorino Cosivi, expôs um panorama da febre aftosa dos países da América do Sul e afirmou que a região tem bom sistema de vigilância. “De todos os países, o que mais preocupa é a Venezuela, onde o serviço sanitário declarou não ter como saber o que se passa em todo o território nacional”, disse. Cosivi alertou para a importância de se manter uma capacidade instalada de vacinação para casos de recorrência.

A programação do evento contou com a apresentação de Sérgio Bertelli Pflanzer, da Unicamp, que falou sobre simplificar a classificação das carcaças bovinas apenas pelo número de dentes para facilitar a definição de pontuação.

Em seguida, pesquisador da Embrapa Gado de Corte, Roberto Girolo, apresentou o projeto Carne Carbono Neutro, que propõe um selo para quem seguir práticas definidas como plantar árvores com espaçamento de até 22 metros em áreas de pecuária e prevê um trabalho de valorarão econômica para pesquisar possibilidades de o consumidor pagar mais por esse produto certificado.

Pitangui, da CNA, e Pereira, da Farsul, concordaram que o projeto é importante, mas que deve-se considerar outras frentes como um trabalho para identificar a pegada de carbono das pastagens e das reservas florestais já existentes. "Região do Bioma Pampa, por exemplo, tem característica de não ter árvores. Precisamos de um outro caminho por aqui", comentou Pereira.

Ao final, o presidente do Grupo de Trabalho da Pecuária Sustentável,Fernando Sampaio, apresentou e entregou aos presentes o recém lançado o Guia de Práticas para a Pecuária Sustentável.

 

Fonte: CNA

Comunidades quilombolas conhecem alternativa para aproveitamento de água da chuva

Comunidades quilombolas conhecem alternativa para aproveitamento de água da chuva

 

A Embrapa Algodão promoveu na semana passada mais uma ação do Plano Brasil Sem Miséria nas comunidades quilombolas do município de Campo Formoso, na Bahia. Com o objetivo de proporcionar alternativas para o melhor aproveitamento das águas da chuva, nos dias 26 e 27 foram realizados curso e dia de campo sobre barragem subterrânea para cerca de 40 técnicos e agricultores envolvidos no projeto Disponibilização de conhecimentos e tecnologias de captação de água de chuva no Território Piemonte Norte do Itapicuru - BA.


Durante o curso, os participantes puderam conhecer mais sobre a barragem subterrânea, uma tecnologia alternativa de captação e armazenamento da água de chuva no interior do solo, instalada em pontos estratégicos do terreno, onde escorre o maior volume de água no momento da chuva.

Foram abordados os diversos tipos de barragens subterrâneas, parâmetros para a escolha do local, etapas da construção, manejo do solo e da água, alternativas de cultivo, potencialidades e limitações, além dos custos da construção.

O curso foi ministrado pelos pesquisadores da Embrapa Semiário, Roseli Freire de Melo e José Barbosa dos Anjos, pelos técnicos da Embrapa Algodão, José Carlos Aguiar, Geraldo dos Santos e Gleibson Cardoso, com apoio do técnico da Secretaria de Educação de Campo Formoso, Aguinaldo Júnior.

Plano Brasil Sem Miséria (PBSM) é uma política pública do governo federal que visa à inclusão social e produtiva de pessoas que vivem abaixo da linha da pobreza no Brasil, com renda per capita abaixo de R$ 70 por mês. A Embrapa Algodão coordena dois projetos no PBSM. Um projeto no território norte do Itapicuru, em Campo Formoso, na Bahia, e outro no território da Borborema (com 21 municípios), na Paraíba.

O projeto tem como objetivo atuar junto aos parceiros locais para a solução e superação das limitações tecnológicas existentes no território dos quilombolas de Campo Formoso. O município conta com 26 comunidades quilombolas e aproximadamente 2.600 famílias.

Resultados

Entre as principais ações já implementadas na região estão a implantação de seis Unidades de Aprendizagem com culturas forrageiras e alimentares; a entrega de 10 minibibliotecas em escolas quilombolas na região; a realização de três oficinas sobre aproveitamento de resíduo do sisal na alimentação animal; 10 minicursos sobre criação de galinha caipira; uma palestra sobre Meio Ambiente e Uso Correto de Agrotóxico, envolvendo 30 técnicos da ATER da EBDA e 300 agricultores quilombolas; instalação de oito mini aviários para criação de galinha caipira; entrega de mudas de essências florestais e formação de viveiro na Escola Rural do município.

 

 

Edna Santos (MTB-CE 01700) 
Embrapa Algodão 
 
Telefone: (83)3182-4361

 

Fonte: Embrapa

Até dezembro, produção agropecuária chegará a R$ 522,52 bilhões, informa CNA

Até dezembro, produção agropecuária chegará a R$ 522,52 bilhões, informa CNA

O Valor Bruto da Produção Agropecuária nacional de 2015, calculado em julho, será 15,6% maior na comparação com 2014

Brasília (24/08/2015) - O Valor Bruto da Produção Agropecuária (VBP) deve crescer 15,6% em 2015, atingindo um total de R$ 522,52 bilhões, na comparação com os números obtidos no ano passado. De acordo com a Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), esse desempenho positivo tem relação direta com os principais produtos que apresentaram crescimento na produção. São os casos do algodão (12,2%), amendoim (22,2%), cacau (15,5%), café (10,6%), cebola (41,4%), laranja (13,7%), trigo (13,2%) e frango (60,5%), dentre outras culturas importantes do setor agrícola do país.

A CNA avalia que, mantido o cenário atual, o setor agrícola deverá faturar este ano R$ 310 bilhões, valor 10,2% superior ao registrado em 2014. Um dado relevante diz respeito à soja, elevação prevista de 14,7% em relação ao ano anterior, atingindo o valor total de R$ 103,5 bilhões. Esse expressivo crescimento é consequência, principalmente, do aumento da produção (11,7%) já que os preços relativos não sofreram grandes alterações no período, com incremento de 2,7%.

Enquanto isso, o mais recente levantamento da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) indica que a safra de grãos para o biênio 2014/2015 pode chegar ao número recorde de 208,8 milhões de toneladas, aumento de 7,9% em comparação ao resultado da safra 2013/2014, quando foram produzidas 193,6 milhões. Uma das razões para esse resultado está no aumento da área plantada de soja e milho segunda safra. No caso do milho houve, ainda, a influência favorável das boas condições climáticas nas regiões produtoras.

Milho e agropecuária - Com relação ao milho, responsável por 7,7% do VBP agrícola brasileiro, tanto a produção quanto os preços subiram aproximadamente 5%, com destaque para o aumento da área plantada em razão das boas condições do clima nas regiões produtoras. Outro fator importante foi a variação favorável dos preços pagos ao produtor. A produção total de milho, de primeira e segunda safra, deve chegar a 84,3 milhões de toneladas, ao lado do crescimento de 6% nos índices de produtividade verificado nas duas safras.

No caso da agropecuária, segundo a CNA, espera-se que o VBP do segmento alcance, ao final de 2015, de acordo com os números de julho, R$ 211,6 bilhões,  com aumento de 24,5% no faturamento, em relação aos números do ano passado.  Outro destaque ocorreu na avicultura, tendo em vista que o preço médio observado ao longo de 2015 está 60,5% maior, em comparação com 2014. Na suinocultura, a elevação dos preços também vem impulsionando o faturamento bruto do segmento, no entanto, de maneira mais modesta quando comparado com a avicultura: crescimento previsto de 6,9% para um faturamento de R$ 14,8 bilhões estimados para 2015, diz a CNA.

Boletim - Acesse a íntegra da projeção do Valor Bruto de Produção:

http://www.canaldoprodutor.com.br/sites/default/files/boletim-VBP-n9.pdf

Fonte: CNA

MST ocupa outra fazenda voltada para pesquisas agropecuárias no PR

MST ocupa outra fazenda voltada para pesquisas agropecuárias no PR

 

 

Ocupação ocorreu na manhã desta segunda-feira (24), em Castro.

Famílias de Ponta Grossa, Ipiranga e Lapa estão no local, diz MST.

 
 
 
 
 
 
 

Integrantes do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) ocuparam a Fazenda Capão Cipó, em Castro, na região dos Campos Gerais do Paraná, por volta das 5h desta segunda-feira (24). Na propriedade, está instalada a Fundação ABC, voltada para pesquisas agropecuárias para as cooperativas Capal, Batavo e Castrolanda.

De acordo o MST, as terras são de propriedade da União, que aguarda a reintegração de posse desde 30 de abril de 2014. Por meio de medida liminar, a União pede que Fundação ABC deixe as terras por ter encerrado o período de comodato.

Apesar da ocupação, o MST explica que está disposto a fazer parcerias para dar continuidade ao desenvolvimento de pesquisas agrárias no local, mas desde que os estudos sejam voltados à agroecologia.

Ainda segundo os ocupantes, a ocupação da área também pretende chamar a atenção do governo federal e exigir avanços na Reforma Agrária, que está “completamente paralisada”, segundo eles.

Ainda conforme o MST, cerca de 150 famílias, entre homens, mulheres e crianças, estão na fazenda. A propriedade tem 300 hectares e fica a 7 quilômetros de Castro. Conforme o MST, há manifestantes da cidade, de Ponta Grossa e de Ipiranga, na região dos Campos Gerais do Paraná, de Teixeira Soares, na região central do estado, e da Lapa, na Região Metropolitana de Curitiba.

Outro lado
Em nota, a Fundação ABC informou que:

- Uma parte da fazenda vem sendo utilizada para projetos de pesquisa agropecuária há mais de 40 anos, através de um convênio firmado entre o Ministério da Agricultura (MAPA) e a Cooperativa Central de Laticínios do Paraná Ltda (cooperativa fundada por três importantes cooperativas da região: Frísia, Castrolanda e Capal);

- Quando foi criada a Fundação ABC, em 1984, também pelas cooperativas Frísia, Castrolanda e Capal, a CCLPL deixou a cargo da fundação ABC a continuação dos trabalhos de pesquisa naquela propriedade, com o consentimento do MAPA;

- Vale ressaltar que muito das grandes conquistas de produtividade obtidas no estado do Paraná se devem aos trabalhos desenvolvidos naquela fazenda, através da Fundação ABC, que se trata de um instituto de pesquisa sem fins lucrativos. Naquela área, há trabalhos de pesquisa com mais de 30 anos, que trazem importantes informações aos nossos pesquisadores, assim como outros de média e curta duração;

- Quando a Fundação ABC foi notificada pela Justiça Federal a devolver a área, no ano passado, imediatamente entrou em contato com o MAPA, na tentativa de manter o convênio junto a instituição, já que se trata de uma importante área de pesquisa para o desenvolvimento da agricultura no Paraná, visto que trabalhos realizados ali, também são realizados em conjunto com instituições públicas e federais, como universidades e institutos de pesquisa;

- Além disso, em outra parte da fazenda funciona o Centro de Treinamento de Pecuaristas (CTP), também criado há muitos anos pela CCLPL, onde vários pecuaristas, de todo o Paraná, inclusive famílias assentadas, recebem treinamento para desenvolvimento da atividade em suas propriedades;

- Diante da situação ocorrida neste dia, a Fundação ABC vai continuar o diálogo com o Ministério da Agricultura, a fim de conseguir retornar aos trabalhos de pesquisa que estão em andamento naquela fazenda, entendendo que o trabalho realizado lá é de grande importância para o desenvolvimento da agricultura, não só estadual, mas também para todo o país.

 

Leia a notícia na íntegra no site do G1 PR

Fonte: G1 PR

Sub-categorias

  • Artigo

    Customers and suppliers can post their favorite recipes for fruit here.

    A good idea is to promote the use of metadata keywords to make finding other recipes for the same fruit easier.

    To see this in action, create a user assigned to the customer group and a user assigned to the suppliers group. These users will be able to create their own recipe pages and edit those pages. They will not be able to edit other users' pages.