111.jpg
2122.jpg
1205905_47454040.jpg
5.jpg
4.jpg
120.jpg
3.jpg
gestao-no-meio-da-lavoura.jpg
2.jpg

Milho - Quem esperar para comprar em cima da hora, terá que absorver todo o impacto do mercado

 

 

Desde o começo do ano, não só o pecuarista que produz bovinos de corte ou de leite, mas toda a cadeia de aves e suínos enfrenta dificuldade para comprar milho.

A exportação aquecida no segundo semestre do ano passado e na primeira metade de 2016 enxugaram o mercado. As quedas nas produções na primeira e segunda safras (2015/2016), em função principalmente das condições climáticas adversas, também deixou o mercado menos ofertado.

Diante disso, a Companhia Nacional de Abastecimento estimou os estoques finais em 4,47 milhões de toneladas em 2015/2016, frente as 10,51 milhões estocadas no ciclo anterior. O volume atual é o menor desde 2011/2012.

Recentemente, porém, a partir de junho, ficou mais fácil encontrar o produto, com o avanço da colheita da segunda safra, mas ainda assim, os patamares de preços ficaram acima do vigente em 2015, devido a menor disponibilidade na temporada.

Segundo a Scot Consultoria, na região de Campinas-SP, em julho, a saca de 60 quilos ficou cotada, em média, em R$41,75, 59,6% acima da média de julho de 2015.

Compra antecipada

A situação da oferta de milho só deverá melhorar a partir de 2016/2017, se o clima colaborar.

Ou seja, pensando no primeiro semestre de 2017, é bom o pecuarista garantir o produto, já que a expectativa é de oferta restrita nos primeiros meses do ano, a exemplo de 2016.

A safra de verão ou primeira safra de milho vem perdendo espaço para a soja nos últimos anos e em 2016/2017 não deverá ser diferente. Isto implica em uma maior disponibilidade do produto no segundo semestre.

Em Mato Grosso, com as altas de preços do grão ao longo do ano, o produtor de milho antecipou as vendas da produção, para entrega na colheita.

Com 50,7% da área de segunda safra colhida até o final da primeira quinzena de julho, o estado já havia comercializado, antecipadamente, 70,0% da produção prevista para 2015/2016.

Em grande parte, este milho vai parar nas mãos das multinacionais (tradings), que definem, diante dos preços e situação do mercado, se comercializarão no mercado interno ou exportarão.

No segundo semestre de 2015 e primeiro trimestre deste ano, a preferência foi a venda para o exterior, em função dos preços atraentes. Para exemplificar, o preço médio do milho exportado neste período foi de US$173,45 por tonelada ou R$641,76 por tonelada, considerando o valor médio do dólar no período, de R$3,70.

Para comparação, no mercado interno, na região de Campinas-SP, o preço médio do milho neste mesmo período foi de R$34,67 por saca de 60 quilos ou R$577,85 por tonelada.

Se considerarmos os preços em julho deste ano, o cenário ainda está favorável as exportações, mesmo com a desvalorização do dólar em relação ao real.

O preço médio da tonelada embarcada ficou em US$251,90 ou R$818,00, considerando o câmbio atual, de R$3,25 por dólar.

Em Campinas-SP, os negócios ocorreram em R$43,00 por saca ou R$ 716,67 por tonelada em julho.

Considerações finais

A concorrência por milho deverá ser acirrada nos próximos meses e este quadro deverá perdurar pelo menos até a temporada que vem (2016/2017).

Para o pecuarista, a sugestão é antecipar as compras, garantindo assim o produto no momento do uso. Mas para isso, é preciso planejamento e análise do mercado, para traçar as melhores estratégias e melhores oportunidades de compras.

Na cadeia do milho especificamente, o país deverá encarar choques de ofertas nos próximos anos, seja em função do excesso ou estoques elevados, como foi em 2013 e 2014, quando fechamos o ano com mais de dez milhões de toneladas e foram necessários leilões para ajudar no escoamento da produção; ou a falta do produto, como foi no final de 2015 e em 2016, quando inclusive, algumas empresas (aves e suínos) tiveram que importar milho.

A dinâmica do mercado do milho está mudando e exigirá gestão e planejamento dos elos envolvidos. Quem esperar para comprar em cima da hora, terá que absorver todo o impacto do mercado. Melhor se prevenir.

Fonte: Revista DBO. Ano 35. Número 430. Agosto de 2016